top of page

visual artist

  • Foto do escritorAna Andreiolo

Mariposas-bruxas

Estou interessada em um parentesco mais profundo e anterior com o mundo. Que me conte histórias em sonhos, em outras línguas, com as cores que meus olhos ainda desconhecem, escrita debaixo dos meus pés, guardada no resto oco do chão aterrado que esconde pedaços de mar.


Há algum tempo contemplo a disritmia das ondas e o caos dos ponteiros de instrumentos de orientação. As formigas andam retomando territórios, passeiam em filas longas pela minha gaveta de roupas íntimas. Nuvens escondem pássaros migrando na contramão, mariposas-bruxas amanhecem caídas no capacho da porta de entrada. Ninguém fala sobre o luto, mas todo mundo carrega pelo menos um. 

Muitos se esforçam para descobrir a origem da vida enquanto debocham daqueles que refletem o que há após.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

nunca só

apenas uma parte superficial de mim interage no mundo. sou em extensão espaço e paisagem, pele e superfície. quando eu profundo, sou rio abaixo do solo, sou solo. sou qualquer coisa, homogênea: símbol

A quina

lavou todos os copos que enxaguou na água quente corrente com cheiro de gás trancou a porta da frente e apagou a luz da varanda chutou a quina da parede com o dedo mindinho e urrou no escuro eu estava

Dunas

Se houver alguma coisa trêmula que não seja minha mão, nem minhas pernas, mas meu cabelos. De tudo me desfiz, o vento foi o que restou. Nesta onda colossal de ar me seguro pelos dedos dos pés agarrado

Comments


bottom of page